tradução – a missão.

13 Jul

essa tradução da FAQ do livro Whipping Girl da Julia Serano eu mesma fiz ano passado para entrar como bibliografia da disciplina feminismos e teoria queer oferecida pelo NEDIG/CEAM/UnB; o nosso querido núcleo de estudos da diversidade sexual e de gênero. ela é bem bacana porque fala do uso do termo cisgênero ou cissexual. ela tava lá no confabulando (a wiki do corpus crisis) mas a servidora que o hospeda, a xanta parece que tá fora do ar, por isso resolvi postar aqui. espera-se que não seja um problema de servidor a livre sendo tirada do ar, porque tinha muito conteúdo massa lá.  ah, as fotos da julia serano tanto a sozinha sorrindo quanto a com essa outra gatinha (que eu não sei quem é) eu achei por ai na net e achei tão felizes (como diria minha sobrinha ana) que resolvi por aqui – também porque o post é grande e sem imagem é duris. visitem o blog dela !

********

Whipping Girl FAQ: perguntas freqüentes sobre cissexual, cisgênero e privilégio cis[1].

Julia Serano

Ok, então esta é a quarta versão da minha lista FAQ de Whipping Girl[2], onde responderei a perguntas comuns e / ou esclarecerei algumas confusões sobre o que eu disse (ou tentei dizer) em WG. Esta lista de FAQ discute a distinção cis “/ trans” e o privilégio de pessoas “cis”.

A origem do termo “cis”

Eu encontrei algumas pessoas que acreditavam que eu inventei os termos “cissexual” e “cisgênero”, mas isso não é verdade. Eu faço a seguinte referência ao termo “cissexual” em meu livro:

Fiquei inspirada a usar o termo “cissexual” depois de ler uma das postagens de “intercâmbio”[3] de Emi Koyama em seu site (www.eminism.org/interchange/2002/20020607-wmstl.html). Aparentemente, o termo relacionado “cisgênero” foi cunhado em 1995 por um homem transexual chamado Carl Buijs.

Eu não sei muito sobre Carl Buijs ou sobre porque ele cunhou o termo “cisgênero”. Mas, como  sou uma cientista (campo de atuação no qual os prefixos “trans” e “cis” são usados rotineiramente), essa terminologia parece bastante óbvia, em retrospecto. “Trans” signica “através de” ou “no lado oposto de”, enquanto “cis” significa “no mesmo lado que”. Então, se alguém tem seu sexo atribuído ao nascer, mas posteriormente passa a se identificar e a viver como um membro do outro sexo, essa pessoa é chamada de “transexual” (porque ela cruzou de um sexo para outro),  e uma pessoa que vive e se identifica com o sexo atribuído no nascimento é chamada de “cissexual”.

Como uma pessoa que teve o sexo masculino atribuído no nascimento, mas que vive e se identifica com o sexo feminino, eu posso ser descrita como uma mulher transexual, uma mulher transgênero, ou uma mulher trans. Aquelas mulheres que (diferente de mim) tiveram o sexo feminino atribuído no nascimento podem ser de maneira similar descritas como mulheres cissexuais, mulheres cisgênero ou mulheres cis.

(nota: eu discuto os termos “transexual” e “transgênero” de maneira mais extensa em uma versão anterior da WG FAQ; ver http://juliaserano.livejournal.com/6195.html)

Porque usar o termo cis?

Eu suponho que pessoas diferentes podem dar diferentes respostas a essa questão, então é melhor que eu explique porque eu comecei a usar essa terminologia e porque eu escolho incluí-la em meu livro.

Comecei a escrever Whipping Girl em 2005, antes de ouvir falar da terminologia “cis”. O foco principal do livro era desmascarar boa parte dos mitos e concepções erradas que as pessoas têm a respeito de transexuais. Inicialmente, eu estava meio dispersa em minha abordagem: em um capítulo eu criticaria o jeito que o termo “passar” é usado com referência a transexuais. Em outro capítulo, eu criticaria o uso dos termos “garoto biológico” ou “garota genética” para descrever mulheres e homens não-trans. Em outro ainda, eu criticaria a maneira que transexuais são sempre retratadxs  como imitando homens e mulheres “reais” (leia-se: não-trans). E por ai vai. Depois de um tempo, ficou óbvio para mim que todos esses fenômenos decorriam da mesma suposição: que as identidades de gênero e os encorporamentos de sexo de pessoas transexuais são inerentemente menos naturais e menos legítimos que aqueles de pessoas não-transexuais.

Eu percebi que faria muito mais sentido escrever um capítulo do livro que expusesse completamente esse uso de dois pesos e duas medidas e descrevesse as diferentes formas que é empregado de maneira a marginalizar transexuais. Enquanto pensava nisso, tropecei na já mencionada postagem de Emi Koyama, no qual discute a utilidade dos termos cissexual, cisgênero e cissexismo. Ela diz:

“eles [esses termos] descentralizam o grupo dominante, expondo-o como apenas uma alternativa possível e não a ‘norma’ contra a qual pessoas trans são definidas.  Eu não espero que a palavra se popularize  logo, mas eu sinto que é um conceito interessante – um conceito feminista, de fato – e é por isso que o uso.”

Foi quando eu percebi que os ‘dois pesos’ que eu estava escrevendo sobre já possuíam um nome: cissexismo. E o capítulo de WG dedicado a desmitificar o cissexismo acabou tendo o seguinte título: “desmantelando o privilégio cissexual”.

As pessoas as vezes se assustam quando confrontam-se com novos termos/linguagem. Então, quando faço apresentações eu normalmente uso a seguinte analogia para ajudar a entender a utilidade dessa terminologia:

Há cinqüenta anos, homossexualidade era quase que universalmente vista como não natural, imoral, ilegítima, etc. Nessa época, as pessoas falavam regularmente sobre “homossexuais”, mas ninguém falava sobre “heterossexuais”. Em certo sentido, não existiam “heterossexuais” – todas aquelas pessoas que não praticavam sexo com pessoas de mesmo sexo eram consideradas simplesmente “normais”. Suas sexualidades eram não marcadas e pressupostas.

Se você fosse lésbica gay ou bissexual (LGB) nessa época, não havia jeito de convencer o resto da sociedade que você era marginalizada injustamente. Aos olhos da sociedade, ninguém estava te oprimindo, era simplesmente sua culpa ou problema seu que você fosse uma “anormal”. De fato, era bastante comum que as próprias pessoas LGB comprassem essa pressuposição de anormalidade, já que não havia outro caminho óbvio para encarar sua situação.

Mas então, ativistas do direito das pessoas gays começaram a desafiar essa noção. Eles apontavam para o fato de todas as pessoas terem sexualidades (não apenas pessoas homossexuais). As chamadas pessoas “normais” não eram realmente “normais” per se, mas sim “heterossexuais”. E as ativistas apontavam que heterossexuais não eram necessariamente melhores ou mais corretos do que homossexuais. Mas sim que o heterossexismo – a crença de que a atração e os relacionamentos  entre pessoas de mesmo sexo sejam menos naturais e legítimos que os heterossexuais –  institucionalizado em nossa sociedade  funciona de maneira a injustamente marginalizar aquelas pessoas que participam de relacionamentos de mesmo sexo.

Uma vez que reconheçamos que heterossexismo é um uso de dois pesos e duas medidas, torna-se evidente (percebamos ou não) que heterossexuais são privilegiados me nossa sociedade. Podem casar legalmente, podem demonstrar publicamente o seu afeto por seu outro significativo sem o medo de ser atacado, suas relações são tipicamente aprovadas e até mesmo comemoradas por outras pessoas, e por ai vai. Como todas as formas de privilégio, o privilégio heterossexual é invisível para aquelxs que o experienciam – o privilégio é simplesmente pressuposto. Ao discutir heterossexismo e o privilégio heterossexual as ativistas LGB fizeram grandes ganhos ao longo do tempo no esforço de nivelar o terreno da orientação sexual em nossa cultura.

Podemos entender facilmente o poder em potencial da terminologia cis/trans simplesmente substituindo na analogia acima os termos “heterossexual” por “cissexual”, “heterossexismo” por “cissexismo” e “privilégio heterossexual” por “privilégio cissexual”.

Críticas a terminologia cis/trans

Apesar de cissexismo e privilégio cissexual serem conceitos úteis, já encontrei muitas pessoas (tanto cis como trans) que não gostam da distinção cis/trans. Aqui se segue o que penso sobre as críticas mais comuns:

1) a distinção soa muito acadêmica/jargônica; não podemos falar em uma linguagem mais simples?

Primeiro de tudo, “cis” não é um termo acadêmico, é um termo que veio do ativismo. E soa como um jargão simplesmente porque a maioria das pessoas não esta familiarizada a ele. Num postagem recente do Feministing[4] sobre esse tópico, cannonball coloca a seguinte questão:

“palavras que começam com cis podem parecer esotéricas, mas quantas vezes criticou-se o uso de palavras como “sexismo” e “heterossexismo” por grupos que trabalham para o fim da opressão, alegando-se que tais palavras eram acadêmicas demais?

(note-se: a postagem de cannonball foi uma resposta a dois excelentes postagens anteriores feitas por Queen Emily no blog Questioning Transphobia, chamadas: Cis is not an “academic” term e  Cis (2)[5]. Nessas postagens, ela entra mais profundamente na questão de se cis-é-um-termo-acadêmico do que eu faço aqui.)

Para ser sincera, quando alguém faz a queixa porque-não-podemos-falar-em-uma-linguagem-mais-simples eu fico com vontade de bater-lhe na cabeça com uma pilha  de livros de George Orwell. Nossas idéias/pensamentos/conceitos/crenças são bastante constrangidos pelas palavras que estão a nossa disposição. Se não tivéssemos os termos heterossexual, heterossexismo e privilégio heterossexual aquelas de nós que são LGB não teriam a linguagem para descrever (e desafiar) a marginalização que enfrentamos por dormirmos com um tipo de pessoa. Se nós todas simplesmente falássemos em “linguagem simples” por volta de 1950, onde você acha que estaríamos nos dias de hoje com relação a discriminação baseada em orientação sexual?

2) comentário frequente entre pessoas cis: “mas eu não me identifico com o termo cis”

Cis não é para ser uma identidade. Ao invés disso, o termo simplesmente descreve a forma que uma pessoa é percebida por outras.

Uma analogia: eu não me identifico de maneira forte com os termos “branca” e “corporalmente não-deficiente”[6] embora eu seja ambas as coisas. Uma vez que, eu pude percorrer meu caminho pelo mundo sem ter que dar muita atenção para esses aspectos de minha pessoa. E é exatamente esse o ponto: é o meu privilégio branco e não-deficiente que permite que eu não tenha que lidar com racismo ou deficientismo [ableism] cotidianamente.

Geralmente, apenas nos identificamos com aqueles aspectos de nós mesmas que são marcados. Por exemplo, eu me identifico como bissexual, e como uma mulher trans, porque essas são questões que eu tenho que lidar o tempo todo (por causa do preconceito de outras pessoas). Apesar de não me identificar fortemente como branca ou não-deficiente, tenho a possibilidade de me livrar completamente desses rótulos, isso seria negar o privilégio branco e não-deficiente que eu experimento regularmente

3) comentário frequente entre pessoas trans: “eu não gosto da distinção entre cis/trans porque eu não acho que eu sou diferente de uma mulher (ou homem) cis.”

Eu consigo me relacionar a esse sentimento. Porque no fim das contas, eu não acredito que eu (como uma mulher trans) seja inerentemente diferente de uma mulher cis. Tal ponto de vista seria essencialista/universalista, uma vez que assumiria que todas as mulheres cis são “as mesmas” entre si e inteiramente distintas de mulheres trans. Isso ignora a grande variação entre e a sobreposição entre mulheres cis e trans.

Quando uso os termos cis/trans na é para falar sobre diferenças reais entre corpos/identidades/gêneros/pessoas cis e trans, mas sobre diferenças percebidas.  Em outras palavras, apesar de não achar que meu gênero seja inerentemente diferente do de uma mulher cis, estou ciente de que a maioria das pessoas tendem a ver meu gênero de forma diferente (isso é, como menos natural/válido/autêntico) da que vêem o gênero de uma mulher cis.

Veja como eu coloquei essa questão em WG:

[Algumas pessoas] podem recusar boa parte dessa linguagem como algo que contribui para um “discurso reverso” – isto é, ao descrever-me como uma transexual e ao criar termos trans-específicos para descrever minhas experiências, eu estaria simplesmente reforçando a distinção entre transexuais e cissexuais que me marginalizaram. Minha resposta a esses dois argumentos e a mesma: eu na acredito que transexuais e cissexuais são inerentemente diferentes entre si. Mas, as formas vastamente diferentes pelas quais somos percebidas e tratadas por outras pessoas (baseadas em sermos ou não trans) e o modo que essas diferenças têm impacto sobre nossas experiências sociais físicas, tanto com a masculinidade quanto com a feminilidade, que são únicas, levou muitas transexuais a verem e entenderem o gênero de maneira muito diferente de suas contrapartes cissexuais.E, enquanto transexuais são extremamente familiares com as perspectivas cissexuais do gênero (na medida em que elas são dominantes em nossa cultura), a maioria das pessoas cissexuais não tem qualquer familiaridade com as perspectivas trans. Assim, pedir-me para usar apenas as palavras com as quais pessoas cis estão familiarizadas para descrever minhas experiências gendradas  é parecido com pedir para uma musicista, quando for descrever música, usar apenas palavras que não-musicistas entendem. Pode ser feito, mas alguma coisa crucial certamente seria perdida na tradução. Assim como uma musicista não pode explicar completamente sua ração a uma música particular sem trazer conceitos como “tom menor” ou “compasso”, existem também certas palavras e idéias  trans-específicas que aparecerão ao longo desse livro e que são cruciais para que eu posa transmitir precisamente meus pensamentos e experiências com relação ao gênero. Para ter uma discussão iluminada e cheia de nuances sobre minhas experiências e perspectivas como uma mulher trans, nós precisamos começar a pensar em termos de palavras e idéias que descrevam de maneira acurada essa experiência.

As limitações do privilégio cis:

Uma amiga minha me contou recentemente de uma mulher trans que ela conhece e que reclamou que outras mulheres estavam exercendo seu privilégio cis sobre ela sempre que elas reclamavam sobre sua menstruação. Disse o seguinte a essa amiga:

Eu entendo o que ela quer dizer, mas eu hesitaria em chamar isso de privilégio cissexual. Eu procuro usar esse termo apenas quando me refiro à legitimação social e legal (isto é, que o sexo legal e identidade de gênero de  pessoas cis sejam pressupostos e considerados válidos de uma forma que os de uma pessoa trans não são). Nesses casos, está em jogo um uso evidente de dois-pesos-e-duas-medidas, e as pessoas cis deveriam se tocar que pressupõem coisas que outras pessoas não podem.

Mas uma vez que entramos na questão da biologia ou dos corpos (e não os direitos associados a eles), a coisa se torna mais assustadora. Por exemplo, eu tenho privilégios de cor, não porque minha pele é menos pigmentada do que a pele de pessoas de cor, mas porque minha brancura me permite não ter que enfrentar cotidianamente o racismo. Eu tenho privilégios ligados a não ser deficiente física, não porque eu posso ver ou andar “de boa”, mas porque (numa sociedade que presume que todo mundo pode ver placas ou subir um lance de escadas se necessário) eu não enfrento os mesmos obstáculos ou barreiras em minha vida cotidiana que pessoas com diferentes capacidades enfrentam.

Às vezes, quando outras mulheres reclamam sobre suas menstruações ou gravidezes, eu fico bem triste. Apesar de não duvidar que essas experiências sejam doloridas e difíceis, eu me sinto mal por não ter a oportunidade de escolher engravidar se eu quisesse (eu não tenho certeza que eu gostaria de engravidar se eu pudesse, mas seria bom ter essa opção aberta para mim). Eu tenho uma prima cis que sempre teve uma menstruação irregular e ficou perturbada, quando já na idade adulta, descobriu que não conseguia engravidar (ela e seu marido acabaram por adotar depois de anos de tratamento para fertilidade). Mesmo que nunca tenhamos conversado sobre esse assunto, eu tenho certeza que nós duas nos relacionamos com nossa situação parecida de maneiras bem diferentes. Para mim, essa questão está embalada pela minha tristeza de não ter nascido fêmea. Para ela (tendo sido socializada como mulher) está mais ligada a ter imaginado desde criança que algum dia ela ficaria grávida e teria suas próprias crianças.

Nós duas somos biologicamente incapazes de menstruar regularmente ou engravidar. Nós duas experimentamos tristeza e sentimento de perda perante o fato de ser-nos negado algo que outras mulheres assumem como certo. Mas dizer que pessoas que menstruam tem privilégio cis, ou privilégio menstrual, joga com uma mentalidade patologizante. Joga com a idéia de que o meu corpo (e o corpo dela) está intrinsecamente “errado” enquanto outros corpos estão “certos”. Eu sei que algumas pessoas trans vêem as coisas dessa maneira, mas eu entendo essa visão como desempoderadora. Eu gostaria de ter nascido fêmea e que eu pudesse menstruar, da mesma forma que eu gostaria de não ter tido câncer de pele dois anos atrás, ou de não ter hipotireoidismo, ou que eu não precisasse de óculos bifocal (e eu só tenho 41!), etc. Mas eu não me sinto como se algum privilégio  me fosse negado porque meu corpo não é da forma que eu gostaria que ele fosse. A questão só se torna sobre privilégios quando, por causa do meu corpo e situação, eu sou considerada inferior ou menos legítima que outras pessoas.

Eu e minha prima partilhamos algumas similaridades, mas também algumas diferenças. Ela foi qualificada para adoção apesar de ser infértil. É bem provável que se eu requeresse adoção (com base na minha infertilidade por causa da transexualidade) ela seria negada por causa do meu status trans. Seria um caso evidente de privilégio cis, se a adoção fosse negada por essa razão. E apesar de não considerar privilégio cis quando outras mulheres reclamam de suas menstruações, eu já tive que ouvir de algumas mulheres cis o quanto eu sou “sortuda” de não menstruar. Eu sei, de fato, que elas nunca diriam a alguém como minha prima (uma mulher cis infértil) que ela é, pela mesma razão, sortuda. Neste caso, eu posso dizer que o privilégio cis está operando (por causa dos dois pesos…)

Fico feliz que WG tenha ajudado a popularizar o uso dos termos cissexismo e privilégio cis. Mas é importante lembrarmos que todas nós somos privilegiadas de algumas formas e marginalizadas em outras. Como pessoa trans, eu sou muito sensível ao privilégio cis, mas não tão ligada aos meus privilégios de pessoa banca ou capaz. No passado, eu presumi que uma pessoa estava exercendo seu privilégio cis sobre mim e depois descobri que ela nem sabia que eu era trans. E eu já fui chamada atenção (corretamente) quando inadvertidamente disse algo que estava calcado em meu privilégio branco ou capaz, sem ter consciência disso.

É importante que tenhamos isso em mente em contextos feministas, uma vez que tanto mulheres trans como cis são marginalizadas de formas  que se sobrepõem em grande parte, mesmo que sejam as vezes diferentes. Em geral, foi uma merda ter sido forçada contra minha vontade a ser um menino, mas eu estaria mentindo se eu dissesse que eu não experimentei algumas vantagens. Por exemplo, em certo sentido, eu tive bem mais liberdade do que minhas irmãs. E eu não posso dizer honestamente, caso tivesse sido criada como uma mulher, se eu me tornaria uma cientista ou não. De mesmo jeito que eu não tenho dúvida de que existem alguns aspectos de ser criada como mulher que são uma merda. Mas também existem algumas vantagens (como por exemplo, que as pessoas levem a sério a sua identidade de gênero, não ser forçada a ser um menino, etc)

Eu quero ser parte de uma comunidade feminista na qual possamos falar de assuntos específicos a cis-mulheres e assuntos específicos de trans-mulheres sem que o primeiro grupo seja automaticamente recriminado por exercer privilégio cis e o segundo grupo seja automaticamente recriminado por exercer um suposto privilégio masculino. Para alcançarmos isso, é importante desafiar a opressão e o privilégio sempre que eles ocorrerem. Mas também é importante escutarmos ao que as outras têm para dizer, dar as pessoas o benefício da dúvida sempre que for possível. Algumas pessoas são teimosamente preconceituosas e repetem ofensas, e é óbvio que elas têm que responder a isso. Mas a maioria de nós (espero eu) quer genuinamente entender e ser entendida. Discussões sobre “privilégio” deveriam servir para ensinar (e aprender) como vemos e experimentamos o mundo de maneira distinta; como cada uma de nós tem pontos-cegos; como cada uma de nós faz pressuposições incorretas e prejudiciais a outras pessoas. Discutir “privilégios” deveria servir como uma ferramenta e não como uma arma a ser empunhada.


[1] FAQ retirada do blog da autora, http://juliaserano.livejournal.com traduzida por Alice Gabriel.

[2] Whipping Girl: A Transsexual Woman on Sexism and the Scapegoating of Femininity é o nome do livro de Julia Serano publicado em 2007.  Escolhi não traduzir o título que é algo como ‘garota esperta’.

[3] Na seção de intercâmbio, Emi Koyama (re)posta respostas a emails e fóruns online.

[4] http://community.feministing.com/2009/05/cis-as-an-academic-term.html

[5] Respectivamente: http://questioningtransphobia.wordpress.com/2009/04/25/cis-is-not-an-academic-term/ e http://questioningtransphobia.wordpress.com/2009/04/30/cis-2/

[6] Uso a expressão ‘corporalmente não-deficiente’ para traduzir a expressão ‘able-bodied’. É complicado traduzir as expressões ‘able’, ‘ableism’ porque a noção de deficiência parece bastante complicada.

6 Respostas to “tradução – a missão.”

  1. Antonio Henrique Julho 14, 2010 às 11:44 pm #

    Texto foda, alice.

    só uma coisa, o link da julia tá errado, vc esqueceu um R.
    http://juliaserano.livejournal.com/

  2. alixe666 Julho 14, 2010 às 11:54 pm #

    valeu, antonio. dislexia é um problema, né?
    arrumei já…
    =)

  3. vivi ;) Maio 2, 2012 às 3:58 am #

    Adorei a tradução, obrigada!
    Estou elaborando um projeto sobre transgeneridades, e pretendo utilizar o conceito de cisgeneridade como peça importante dele. Li o livro de Serano, mas ter a tradução facilita demais!🙂
    Beijos,
    viviane

Trackbacks/Pingbacks

  1. sectarismo? « parler femme - Novembro 18, 2010

    […] que queria fazer com esse arcabouço teórico das queer ecologies. depois introduzi a distinção trans e cis para falar sobre o livro da le guin (a mão esquerda da escuridão). a fala foi animada e senti que […]

  2. O que é cisgênero? | Transfeminismo - Março 24, 2014

    […] Serano neste texto traça um paralelo entre o uso de cisgênero com o de heterossexual e suas consequências […]

  3. O que é cisgênero? | Tranfeminismo - Abril 5, 2015

    […] Serano, em Whipping Girl FAQ: perguntas freqüentes sobre cissexual, cisgênero e privilégio cis, traça um paralelo entre o uso de cisgênero com o de heterossexual e suas consequências […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: